segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Aula prática no Parque das Mangabeiras


A turma de "Ecologia e Fé Cristã" do curso de graduação em Teologia da Faculdade Jesuíta (FAJE), de Belo Horizonte, fez uma aula prática no Parque das Mangabeiras. Trata-se de uma Unidade de Conservação localizada em área urbana da capital mineira, utilizada pela população como área de lazer.

Fez parte da experiência de aprendizagem a observação de fauna e flora do cerrado e a apresentação de noçóes básica sobre biomas, conservação do solo, fontes e mananciais, poluição do ar em contexto urbano e unidades de conservação. E a convivência foi estimuladora!

13 comentários:

  1. O contato com a Natureza sempre motiva a "sentir" a vida duma maneira mais harmônica e integrada. Esta visita ao Parque foi boa como experiência de olhar o verde das plantas, escutar os sons dos pássaros, cheirar o ar, sentir o sol, gostar da água fresca. As caminhadas pelas trilhas do Mangabeiras estimulou pra gente apreciar a beleza e maravilhoso da Natureza que existe no nosso méio, mas que precisa de nosso tempo para se manifestar. Valeu a experiência no Parque e sobretudo o convivio fraterno com os colegas.

    ResponderExcluir
  2. A beleza do parque das Mangaeira toca o nosso coração, tudo canta a grandesa de Deus. Ter a oportunidade de fazermos juntos esse contato com essa maravilha de Deus, me faz cantar com o salmista " O que é o homem, para dele cuidar com tanto carinho". Que esse tao grande carinho que sentimos de Deus para conosco nos leve a respeitar a natureza, tão descuidada e esquecida em nossos dias.

    ResponderExcluir
  3. André Luiz Bastos8 de outubro de 2009 13:31

    As belezas naturais tomam forma com nosso olhar de reverência e respeito pelas "coisas criadas".Desde um riacho que corre pela mata a um pássaro que "en-canta". O Parque das Mangabeiras reflete paz, harmonia e essencialmente, BELEZA PURA!
    Nossa excursão recolheu, tudo isso, mas com um olhar sério de reprovação à invasão consumista que depreda o Serra do Curral, na ânsia de mais minério...Desabafo!

    ResponderExcluir
  4. Fue una experiencia muy linda que nos posibilitó contemplar no sólo la riqueza del parque en su diversidad de especies, sino también la belleza del grupo.
    Me resonó fuerte escuchar cómo la naturaleza en su sabiduria, crea mecanismos de defensa para proteger las especies que hacen parte de su comunidad, en contraste con la ignorancia que aveces los humanos practicamos cuando en lugar de cuidar del otro, lo violentamos, ignorándolo o impidiéndole ser en libertad lo que es. Marysol

    ResponderExcluir
  5. Passar uma manhã no parque Magabeiras falando sobre a criação divina foi realmente uma experiência de fé e de percepção da imensa grandeza dessa criação e de seu Criador!
    Foi marcante poder sentir e resperar o ar puro, nem parecia que estavamos tâo perto da cidade.
    Vale a pena fazer uma visitinha ao parque, pois o mesmo é muito lindo! Renivaldo Rodrigues - FAJE

    ResponderExcluir
  6. Uma boa aula.Primeiro,nada melhor que sentir um ar mais puro com cheiro de mato e um contato diferente com os colegas.Depois acompanhar as orientações sobre plantas do cerrado mais baixas, galhos tortos casca grossa,ao lado de plantas da mata atlântica e plantas exóticas como os bambús verde e amarelo não nativos é claro, mas com sua beleza contribuem para segurar as encostas. A caminhada em si nos trouxe um bem enorme. Chegarmos ao mirante e ver a cidade mesmo com pouco verde é ainda bonito, porém vimos uma nebulosidade sobre a cidade, sinônimo de gases poluentes. Ah! o rio, o cantar dos pássaros,o som da água e o momento de oração nos fez sentirmos mais perto do Criador e desfrutar melhor a aula que tornou-se excelente.
    Márcia L. Valamiel Jardim

    ResponderExcluir
  7. Uma coisa é ouvir sobre plantas de cerrado, plantas medicinais, frutíferas, etc, outra, é poder tocar, olhar de perto e receber explicações a respeito delas, de minerais, de animais. A aula no Parque das Mangabeiras nos proporcionou essa experiência de conhecer um pouco sobre a natureza, senti-la de perto, ouvir o canto dos pássaros, o barulho da água, tocar nas plantas, aspirar o ar puro, a caminhada, enfim, ver na verdade aquela maravilha, obra das mãos do Criador. Que beleza foi aquele passeio/aula! Não só por tudo que vimos e ouvimos, mas principalmente pela convivência com os colegas que foi muito agradável, sem contar com aquele momento de oração em que elevamos louvores ao Senhor onde a voz humana se misturava com a voz da água, foi muito marcante. Valeu, foi excelente. Maria Clevaniz - FAJE

    ResponderExcluir
  8. La visita al parque fue una experiencia que renovó mis sentidos. Ahí estaba com mis sentidos atentos para ver, escuhar, sentir, gustar y tocar las maravillas de la creación. Fue una oportunidad para sentirme parte de algo grande. Saber que de todo aquello soy parte y ello es parte de mí. Uno de los momentos más significativos fue cuando el profesor nos invitó a escuchar. Sentí como si la sinfonia de canto, de los pajaros, la brisa, el sonido del rio, estuvieran comunidandome algo. Realmente fue especial.
    Jesús M. Lora - FAJE

    ResponderExcluir
  9. Raimunda Nogueira

    Visitar o Parque das Mangabeiras foi uma oportunidade para parar e refletir sobre o comportamento meu e nosso, com a conservação dos recursos naturais. O lugar com a mata preservada, fauna e flora dando sinais de vida, nos transformam realmente. Na cidade estamos em meio à poluição ambiental e sonora causadora de tantos males, assim, quando nos retiramos a um espaço de preservação ambiental, com a sinfonia da mata, até a respiração muda...e a saúde diz, obrigada!. Que se conserve assim, por muitos anos e que as mineradoras não “apareçam” por lá!
    Portanto, foi uma manhã rica de conhecimento e partilha, em que cada um se colocou à disposição do outro para ouvir e acolher sua experiência. Mangabeiras é também, adaptada ao lazer e recreação. Por isso, a descontração em grupo fez parte também, desse momento.

    ResponderExcluir
  10. "Viver e não ter a vergonha de ser feliz!" Esta foi a sensação experimentada na visita ao Parque das Mangabeiras. Percebi um grande pecado: viver tão perto de todas estas maravilhas e não aproveita-las como deveria. A experiência foi rica e gratificante. Um distanciar-se da correria e confusão da rotina e repousar na beleza da natureza que se dispõe límpida e bela. Ouvir, sentir, ver, contemplar, sorver a profundidade dos sentidos. Momentos raros que nos escapam. Foi um aprendizado agradável, suave, vivencial e uma manhã gratificante e curadora. Cura do corpo e do espírito. Verdadeira experiência de Deus!

    ResponderExcluir
  11. ALTAIR BARBOSA RODRIGUES20 de outubro de 2009 08:13

    ANDAR PELO PARQUE É ANDAR NO MEIO DA VIDA. O VERDE A BRILHAR EM NOSSO OLHAR, O CANTO DAS AVES A SUSSURRAR EM NOSSOS OUVIDOS. MAS, ALÉM DESSA BELEZA SURGE A INDIGNAÇÃO POR QUE NÃO CUIDAMOS MELHOR DA VIDA? O QUE PODEMOS FAZER PARA MELHORAR A NOSSA RELAÇÃO COM O MEIO AMBIENTE?

    ResponderExcluir
  12. ALTAIR BARBOSA RODRIGUES20 de outubro de 2009 08:13

    ANDAR PELO PARQUE É ANDAR NO MEIO DA VIDA. O VERDE A BRILHAR EM NOSSO OLHAR, O CANTO DAS AVES A SUSSURRAR EM NOSSOS OUVIDOS. MAS, ALÉM DESSA BELEZA SURGE A INDIGNAÇÃO POR QUE NÃO CUIDAMOS MELHOR DA VIDA? O QUE PODEMOS FAZER PARA MELHORAR A NOSSA RELAÇÃO COM O MEIO AMBIENTE?

    ResponderExcluir
  13. Estivemos no dia 29.09.2009 no Parque das Mangabeiras onde pudemos estar durante toda a manhã em contato com a natureza. Foi nos transmitido pelo professor Irmão Afonso Murad, alguns detalhes no que se refere a flora e fauna ali existentes. Tivemos a oportunidade de estar dentro de um viveiro de plantas e também colhermos algumas informações sobre o plantio, desenvolvimento e cultivo das mesmas.
    Após chegarmos a uma das partes mais altas do Parque, pudemos ver, apreciar e analisar a relação parque, sol e a grande cidade (Belo Horizonte), e os efeitos causados pela poluição. Encerrando, nossa instrução alguns dos companheiros tiveram o desejo e se aventuraram a refrescar um pouco, tomando um banho nas águas límpidas que descem pelo parque. Aluno: Thadeu José Barbosa.

    ResponderExcluir

Coloque aqui seu comentário