quinta-feira, 9 de abril de 2009

Aula prática no Centro Cultural Catavento

Os estudantes de pós-graduação de missiologia do ITESP (São Paulo) tiveram uma aula prática de "Ecologia e Fé Cristã", visitando o Centro Cultural Catavento.
Recém inaugurado, e ocupando o belo prédio da antiga prefeitura de São Paulo, o Catavento oferece informações, imagens e atividades interativas sobre o ciclo da Vida, os biomas do Brasil, a reciclagem e noções básicas de ecologia, entre outras coisas.

3 comentários:

  1. Omir Oliveira - svd - IESTP - São Paulo9 de abril de 2009 16:52

    A experiência que tivemos visitando o Centro Cultural Catavento foi muito boa. Foi uma oportunidade de olhar para o planeta ali bem pertinho de nós de uma forma diferente, intressante, motivadora.
    Esatr lá como grupo foi bom porque tivemos a chance de veer juntos questões de interesse de todos nós. Partilhar nossas idéas ee sentimentos sober o local foi algo enriquecedor.
    Espaços como Catavento são iniciatias que devemos todos encorajar e propagar, pois são através de lugares como esse que muitos irão ter essa mesma possibilidade de se sentirem tocados e sensibilizados para tudo aquilo que está destruindo nossa casa comum. Impressionante como temos destruído sem mesmo notar muitas coisas ao nosso redor. Esse espaço nos ajudar a ter ciência disto e a mudar nosso modo de ver as coisas e a interagir com o cosmos.
    Tive a possibilidades de passar adiante idéias sobre este Centro Cutural de forma que duas das escolas com quem trabalhamos na Zona Lest de São Paulo já estão planejando visitas com alunos do ciclo básico e médio para conhecer e fazer conhecida a luta com os cuidados que todos devemos ter com tudo aquilo que nos cerca para que a vida seja assegurada a todas as criaturas.

    ResponderExcluir
  2. Regina Reinart (ITESP)13 de abril de 2009 11:56

    O que ficou? “Experiência” é um termo muito amplo. Catavento não foi uma experiência como ir ao shopping ou assistir o filme. A “experiência” Catavento é mais do que uma “experimentação, experimento, conhecimento obtido por meio dos sentidos, tentativa, ensaio” (Houiass). Catavento é a via completa do planeta. Entrando lá, começando com um olhar no universo, no sistema solar e nas galáxias, e aos poucos mergulhando nas realidades dos biomas, dos ciclos da Fotossíntese e da água foi de verdade uma via completa.
    Limos placas como “o que nós podemos fazer”, “energias alternativas” e “reservas extrativistas”.
    O que me tocou muito foi um projeto paraibano que se preocupa com Peixe-boi. Ela já salvou mais de 45 animais (a maioria filhotes) na Ilha de Itamaracá. Isso é algo insignificante no horizonte internacional e econômico, mas no contexto ecológico, é de suma importância. Eu fico impressionada com este dado. Aqui se valoriza o resgate de “só” 45 animais! Refletindo sobre isso em relação à dimensão da nossa fé, resulta numa noção bem mais ampla da “salvação”. Greenpeace e outras organizações que se dedicam ao resgate de animais (baleias, peixe-boi ou girafas, elefantes, leões, zebras - África/Tanzânia), à replantação e ao cuidado de plantas ameaçadas de extinção têm um aspecto salvífico. Quem se compromete a esta causa, sendo cristão, vive a fé de um modo muito prático e concreto. É interessante lembrar-se do filme “Encantadora de Baleias” que mostra como a tribo Maori da Nova Zelândia convive e sofre com baleias. Recuperando-se com elas significa um resgate da própria identidade. Se nós no nosso próprio contexto conviveríamos tão intimamente com a flora e a fauna, entenderíamos melhor o nosso próprio ser.
    Catavento oferece atrativamente e participativamente inúmeros “aulas” de ciência e problemas sociais. Foi uma visita “breve” diante dos quatro grandes áreas que se apresentam ali (universo, vida, sociedade e engenho). Interesso-me em voltar com mais tempo e estudar melhor a área do ser humano e da saúde.
    E para quem não tem como viajar para Rio de Janeiro, no Catavento tem um vôo gratuito para lá, subindo no Pão-de-Açucar e Cristo Redentor, passeando na Copacabana.... -

    ResponderExcluir
  3. Irene Soares Naresse ITESP14 de abril de 2009 14:48

    Sinto-me privilegiada por ter participado desta gratificante experiência, que foi ter visitado o Catavento. Passeio, aula... o importante mesmo foi que através de tudo que vi, aumentou ainda mais o desejo de conhecer mais e melhor o meio em que vivemos.
    Interessante que ao partilhar com as pessoas, é como se realmente eu estivesse adentrado um pouco pela floresta, sentido a dor da devastação, mais à frente olhando o solo empobrecido pela exploração da monocultura e as queimadas que as tornam improdutivas, pois o lucro é mais importante.
    Porém, os aspectos positivos como, ouvir o canto de tantos pássaros , a extração da borracha, preservando acima de tudo a espécie, a preocupação com os peixes ,plantas, animais,pássaros, enfim, tudo isto se traduz em sinais de esperança, de que é possível Nova Terra e novos Céus.
    Contemplar a cidade do Rio de Janeiro lá do alto foi fantástico! Um passeio digital de fato. Depois, aquele giro pela praia de Copacabana foi muito além do esperado, que lindo!
    Quero voltar com tempo, para saborear e aprender mais sobre a Criação, pois ali percebemos a Obra maravilhosa que Deus criou e colocou a nossa disposição. Estou divulgando para que, principalmente as crianças, adolescentes e os jovens venha conhecer e assim se conscientizar do que quer dizer ecossistemas, biomas, enfim que se apaixonem pelo mundo, e venham conhecer as maravilhas da Terra. Entender esta interligação , que nada está aqui por acaso é entender o valor da existência, ou seja, valorizar e preservar a Vida.

    ResponderExcluir

Coloque aqui seu comentário