quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Estudo de meio na Cerra do Cipó

A turma da Disciplina "Ecologia e Fé Cristã" do curso de Gestão Pastoral do ISTA (Instituto Santo Tomás de Aquino) em Belo Horizonte realizou um dia de estudo de meio na Cerra do Cipó. Observamos características típicas do cerrado e recordamos alguns conceitos básicos, como bioma, interdependência, ecossistema, plantas e animais exóticos, serviço ambiental, indicadores ambientais...
E além disso, uma oportunidade de exercitar o encantamento e a sintonia com água, os pássaros, as árvores, o ar e as pessoas.

10 comentários:

  1. Para mim, a experiência de visitar a Serra do Cipó foi uma significativa oportunidade de perceber a grande beleza e riqueza natural que aquele lugar resguarda. O cerrado, como um dos biomas mais ricos de nosso país, mostra-se como lugar que concentra uma grande biodiversidade de plantas, animais e microorganismos e que, infelizmente, encontra-se ameaçado pela ação gananciosa do ser humano. Por isso, faz-se necessário voltarmos nossa atenção para essa realidade e desenvolvermos ações e políticas que se voltem para a preservação das riquezas naturais de nossa nação. Deixo aqui registrado meu agradecimento ao Ir. Murad e aos irmãos e irmãs da turma de Gestão Pastoral do ISTA pela alegria do convívio amigo e fraterno.

    Maicon Donizete - Turma de Gestão Pastoral (ISTA)

    ResponderExcluir
  2. A realização da aula de Ecologia e práxis cristã na Serra do Cipó foi muito proveitosa, pois foi um momento muito rico possibilitando-me a conhecer o bioma da região do serrado.

    Com o acompanhamento do professor Afonso Murad com toda a turma do curso de Gestão Pastoral conhecendo algumas espécie de plantas e suas características físicas.

    Além dessa observação ecológica houve também a oportunidade de perceber a presença do sagrado naquele ambiente natural. Foi possível sentir a presença de Deus em cada ser vivo, nas plantas nas águas, no ar e em cada um que estava lá apreciando toda a criação de Deus.
    Marcelo Ferreira dos Santos- Turma de Gestão Pastoral (ISTA)

    ResponderExcluir
  3. Vozes novas

    Mesmo caminhando por lugares desconhecido, esse me parecia muito familiar, foi reaprender a contemplar às tantas maravilhas da natureza que muitas vezes passamos por ela despercebidas e quase a ignorando. Para mim visitar a serra do cipó foi uma oportunidade significativa de perceber como Deus manifesta seu amor em pequenos detalhes da natureza, especificamente no que aquele lugar guarda; biomas, variedade de plantas, animais e microorganismo. È surpreendente sua convivência gratuita, trabalhando em parceria e colaborando com sua “SÁVIA”.

    Outra coisa que despertou minha curiosidade foi sentir a terra como mãe. “Mãe mulher - mãe terra” que no segredo gera vida. Tenho muito que aprender dessa sabedoria, da sua mensagem, sentindo sua firmeza e a de todos os seres e microorganismo que compõem o meio ambiente. E para colaborar com esta diversidade, cabe-nos; preservar, acolher e valorizar o altar cósmico.
    Acreditar nisso desperta em mim uma grande consolação e o sentido de responsabilidade, pois eu também sou parte desta comunidade de seres vivos.

    Termino lembrando a fala de John Muir “minha profissão é estar alerta a encontrar a Deus na natureza conhecer os lugares onde Deus está à espreita assistir a todos os oratórios e ópera na natureza”
    .
    Meu agradecimento ao professor Ir. Murad e para a turma pelo vivido.

    Paola Chilimani - ISTA

    ResponderExcluir
  4. Johanna Bretón. Gestão Patoral ISTA

    “Todos te buscamos a Tí, Dios escondido en la intimidad de los seres que iluminas, para uma comunión de eternidad que aliente nuestro paso por la tierra” (Benjamín Gozáles Buelta)

    Quiero Agradecer al Señor la experiencia de una vez más sentir que es posible recuperar la sensibilidad para encontrar a Dios en todoas las cosas.

    Poder contemplar en la “Serra do Cipó”, poder con calma distinguir y disfrutar de ese espacio natural, diverso, lleno de armonía, me despierta deseos de abrir espacio y hacer de cada momento un sentir y gustar de las cosas internamente.

    ResponderExcluir
  5. Roberta Garcia de Oliveira - Gestão Pastoral/ISTA

    “Louvados sejas meu Senhor, por todas suas criaturas!!!”

    A experiência vivida na Serra do Cipó proporcionou-me uma forte sensação de harmonia. Poder contemplar a natureza, em suas diferentes expressões, é sem dúvida estar muito próxima ao Criador, o Deus da Vida, Àquele que fecunda, sustenta e promove esta vida em cada ser criado.
    Foi um dia de aprendizado, contemplação, partilha e um profundo contato com o meio ambiente.
    Após uma caminhada, guiada pelo Professor e Irmão Murad, na qual pudemos ampliar mais o conhecimento e vocabulário ecológico, terminamos com um riquíssimo banho de cachoeira, seguido de um lanche comunitário.
    Nesse contato direto com a natureza, todos nos sentimos parte integrante desse grande universo!!!
    Agradeço à turma pelo ambiente de fraternidade e partilha, que faz crescer sempre mais a comunhão.
    Ao professor Murad, obrigada pela oportunidade de vivenciar aquilo que vai sendo estudado. É na vivência e na prática que se formam as convicções.

    ResponderExcluir
  6. Antônio - Gestão Pastoral - ISTA17 de novembro de 2010 21:50

    Com certeza são momentos como esses que vivenciamos na Serra do Cipó que nos ajudam a recordar quem somos e a teia de vida da qual fazemos parte. Devido aos muitos afazeres e à própria dinâmica de vida que adquirimos, muitas vezes nos desconectamos do mundo que vivemos, quebramos a harmonia, a energia, que existe entre nós, cada criatura e Deus. Foi um dia muito proveitoso de reconhecimento ambiental, sob a coordenação do professor Murad, observando árvores, flores, pequenos insetos, a beleza em geral daquele lugar sagrado. Tivemos a oportunidade de nadar em uma bela cachoeira e sentir nossas forças restauradas pela energia da água que descia sobre nossas costas. Além disso, foi um dia de intensa convivência com amigos, que também nos possibilita uma troca de energia fenomenal, sensação que nos faz sentir imensa alegria e gratidão por ter sido criado.

    Cântico das Criaturas
    (São Francisco de Assis)

    Altíssimo, onipotente, bom Senhor
    Teus são o louvor, a glória, a honra
    E toda a benção.
    Só a ti, Altíssimo, são devidos;
    E homem algum é digno
    De te mencionar

    Louvado sejas, meu Senhor
    Com todas as tuas criaturas,
    Especialmente o senhor irmão Sol,
    Que clareia o dia
    E com sua luz nos alumia.
    E ele é belo e radiante
    Com grande esplendor:
    De ti, Altíssimo, é a imagem.

    Louvado sejas, meu Senhor,
    Pela irmã Lua e as Estrelas,
    Que no céu formaste as claras
    E preciosas e belas.

    Louvado sejas, meu Senhor,
    Pelo irmão Vento,
    Pelo ar, ou nublado
    Ou sereno, e todo o tempo,
    Pelo qual às tuas criaturas dás sustento.

    Louvado sejas, meu Senhor
    Pela irmã Água,
    Que é muito útil e humilde
    E preciosa e casta.

    Louvado sejas, meu Senhor,
    Pelo irmão Fogo
    Pelo qual iluminas a noite,
    E ele é belo e jucundo
    E vigoroso e forte.

    Louvado sejas, meu Senhor,
    Por nossa irmã a mãe Terra,
    Que nos sustenta e governa
    E produz frutos diversos
    E coloridas flores e ervas.

    ResponderExcluir
  7. A experiência na Serra do Sipó foi impar. Foi a hora de vermos e tocarmos grande parte daquilo que estudas em sala. Na verdade, o diferencial da "aula de campo" foi o interesse da turma em verdadeiramente observar o espaço sagrado com que Deus nos presenteia.
    Em meio a correria cotidian, é arriscado não precebermos as maravilhas da natureza e mais do que isso, é, também arriscado não nos preocuparmos em preservalas.
    Rogério de Medeiros Silva - Aluno de Gestão Pastoral do ISTA

    ResponderExcluir
  8. Paulo Martins - Gestão Pastoral

    Foi um belo dia!

    Nem mesmo as nuvens ou a ameaça da chuva, que ainda nos visitou naquela manhã, conseguiu tirar a beleza daquele dia! Uma verdadeira comunhão com a natureza, com Deus, com os outros e comigo mesmo.

    No silêncio da caminhada, as vozes e os cheiros da natureza. Na palma das mãos a sensaçao e a temperatura no toque em cada diferente espécie. No corpo o frescor e massagem natural das águas cristalinas da cahoeira. No olhar a contemplaçao da gradiosidade da criaçao de Deus. Na alma a veneraçao e o agradecimento pelas dádivas do criador.

    Um dia em que pude, na prática, aprofundar os conhecimentos adquiridos em sala de aula e, com consciência ecológica, me sentir parte desta natureza e responsável por nossa casa comum.

    Obrigado, Ir. Murad e companheiros pelo dia!

    ResponderExcluir
  9. Irmão Edvaldo ( Gestão Pastoral/ISTA)
    Realmente, a visita a Cerra do Cipó foi um verdadeiro encontro com a natureza e momento de perceber a beleza de Deus na criação. Senti um momento de paz profunda e de grande encantamento. Nesses momentos brota do coração um grande sentimento de louvor pela obra do criador. Agora entendo o que Teilhard Chardin expressa na missa sobre o mundo. É um verdadeiro estar em sintonia com a natureza, se sentir parte dela.
    Foi muito significativo, além do contato com os amigos, tomar um gostoso banho de cachoeira. Sentir aquela água escorrendo pelo meu corpo, me dava uma sensação de paz profunda. Recordei muito dos povos indígenas, que acreditam que, suas origens vêm do fundo das águas.
    Foi uma oportunidade de revigorar as forças e reverenciar diante de tanta beleza, como diz o salmista:
    “Senhor meu Deus, quando eu, maravilhado
    Fico a pensar nas obras de Tuas mãos
    No céu azul de estrelas pontilhado
    O Teu poder, mostrando a criação
    Então minh'alma canta a Ti, Senhor
    Quão grande és Tu! Quão grande és Tu!
    Então minh'alma canta a Ti, Senhor:
    Quão grande és Tu! Quão grande és Tu”

    Valeu pela experiência!

    ResponderExcluir
  10. Uma descoberta em meio a biodiversidade ressumo assim a minha opinião quanto a aula expositiva a Cerra do Cipó. A reserva que visitamos possui belas cachoeiras e uma diversidade de plantas nativas provenientes dos biomas do cerrado e da mata atlântica e arvore asiático, como o pé de manga por exemplo. O interessante é como as plantas em uma reserva secundária se adaptaram bem e vivem muitas vezes em interdependência outras brigam por espaço. Formam um belo cenário de vida que gera vida.

    ResponderExcluir

Coloque aqui seu comentário